Dental Tribune Portugal

Um guia para a odontologia ecológica

By Monique Mehler, Dental Tribune International
May 30, 2021

LEIPZIG, Alemanha: Sustentabilidade em odontologia é mais do que uma tendência. É uma realidade que empresas de todos os tamanhos precisam enfrentar e encontrar maneiras de se adaptar se quisermos sustentar um planeta habitável para as gerações futuras. À primeira vista, pode parecer uma tarefa impossível, porque há muito a ser considerado. O que fazer? Por onde começar? Quanto tempo e dinheiro isso vai custar? Há muito que fazer. Mas há muitas mudanças positivas em direção a um futuro mais verde que podem ser implementadas quase imediatamente, que são baratas e às vezes até gratuitas. Além de uma discussão inicial sobre o tópico, este artigo fornece algumas dicas práticas fáceis de implementar e enfoca os proprietários de clínicas que já praticam odontologia ecologicamente correta.

Antes de considerar como os profissionais da odontologia podem agir, vamos fazer um rápido desvio na história da odontologia ecológica, descobrir o que isso realmente significa e examinar alguns factos e números. Em termos gerais, o principal objetivo da odontologia ecológica (também chamada de odontologia ambientalmente correta, odontologia ecológica ou odontologia sustentável) é causar o menor dano possível ao meio ambiente e, ao mesmo tempo, garantir o controlo de infeções e a qualidade do atendimento. A FDI World Dental Federation considera a sustentabilidade como princípio  fundamental da odontologia, que “deve ser praticada de forma ética, com elevados níveis de qualidade e segurança, na busca da saúde oral ideal”. Sublinha ainda que “a sustentabilidade integra um compromisso mais amplo do profissional de saúde oral com a responsabilidade social e ambiental. O direito das gerações futuras a um mundo com recursos naturais adequados deve ser respeitado”. No entanto, como isso deve ser implementado no consultório odontológico não é regulamentado - pelo menos ainda não.

O movimento ambientalista começou nas décadas de 1960 e 1970 no mundo ocidental e é uma forma de vida ainda hoje. O que costumava ser considerado um estilo de vida hippie é agora mais popular, à medida que a consciência ambiental está aumentando continuamente, especialmente por meio de movimentos como Fridays for Future, que foi fundado pela aluna sueca Greta Thunberg em 2018. Estatísticas fornecidas pelo YouGov (um grupo internacional de dados e análises de pesquisa) mostrou que, apenas nos últimos dez anos, a consciência ambiental mais do que dobrou entre os jovens britânicos. De acordo com os dados, 45% dos jovens de 18 a 24 anos dizem que as questões ambientais são uma das preocupações mais urgentes do país. Além disso, a proteção ambiental e as mudanças climáticas são as principais prioridades das políticas públicas para adolescentes que vivem nos Estados Unidos, como confirmou uma pesquisa recente realizada pela Statista (fornecedora alemã de dados de mercado e consumidores). A tendência é semelhante em todo o mundo e traduz-se em ações na política internacional. Atos de mudança climática, como a Agenda 2030 das Nações Unidas para o Desenvolvimento Sustentável , forçam os países a examinar as emissões de gases de efeito estufa e formas de reduzi-las.

Qual é o papel da odontologia?

Claro que não é apenas um setor industrial o culpado pelas mudanças climáticas. A exploração coletiva do planeta e dos seus recursos pela nossa sociedade, especialmente nos últimos 50 anos, fez com que todos devam cooperar para deter ou reverter os danos. Como sugere a FDI, os profissionais de odontologia devem aceitar e agir com responsabilidade ética em relação à contribuição da sua profissão para as mudanças climáticas.

Ao observar os números que dizem respeito à pegada de carbono da indústria odontológica, uma coisa se destaca: as viagens de pacientes e funcionários para os consultórios constituem a maior parte. Em Inglaterra, as viagens representam mais de 60% da pegada de carbono dentário, o consumo de energia está em segundo lugar, contribuindo com 14% - 21% das emissões de gases de efeito estufa, e as compras vêm em terceiro, com 19%. Um estudo realizado na Escócia descobriu que as viagens de pacientes e funcionários de e para consultórios dentários são responsáveis por 45,1% das emissões de dióxido de carbono.

Um dos co-autores desse estudo é o Dr. Brett Duane, especialista em saúde pública odontológica com uma forte paixão pela sustentabilidade da saúde e contribuiu com dezenas de publicações sobre o assunto. Juntamente com os seus colegas, publicou uma série de artigos para o British Dental Journal sobre sustentabilidade ambiental na prática odontológica. Um dos artigos mostrou preocupação particularmente com as viagens e recomendou o seguinte: redução do tempo de consultas combinando visitas para membros da família, ou combinando procedimentos operacionais, ou reduzindo a frequência de consultas com base no risco do paciente; implementação de telemedicina e teleconferência para pacientes; bem como encorajar esquemas de ciclo para trabalho ou car-pooling para o pessoal. No entanto, a redução das viagens de funcionários e pacientes é apenas uma área a ser considerada entre outros fatores poluentes que contribuem.

O que é que os profissionais de odontologia podem fazer?

Os quatro Rs - reduzir, reutilizar, reciclar e repensar - são pilares essenciais para orientar a responsabilidade ambiental do consultório odontológico.

Reduzir:

  • Não use papel e mude para digital (por exemplo, registos de pacientes e radiografia);
  • Faça melhorias na gestão de água e eletricidade (por exemplo, compre energia verde ou gere a
    sua própria energia);

Reutilizar:

  • Invista em produtos reutilizáveis (como bandejas de aço inoxidável);

Reciclar:

  • Recicle materiais (como papel e alumínio);
  • Invista em itens autoclaváveis (por exemplo, pontas de sucção de ar / água de metal);
  • Assuma o controlo da gestão de resíduos;

Repensar:

  • Mude para produtos biodegradáveis de uso único (como sacos para lixo e babadores laváveis);
  • Eduque os pacientes sobre opções alternativas (por exemplo, escovas de dente de bambu e fio e palhetas biodegradáveis).
  • Incentive o paciente e a equipa a viajarem em transportes públicos ou inscreva-se num esquema de ciclo para trabalho;
  • Empregue a teledentistry de alguma forma.

Esta lista já é bastante extensa para proprietários de consultórios dentários que estão apenas a começar a sua jornada de sustentabilidade. Ideias mais detalhadas e inspiração podem ser encontradas neste guia: https://sustainablehealthcare.org.uk.

Esses exemplos pretendem demonstrar que existem muitas maneiras de fazer as coisas com as próprias mãos. Mudanças em pequena escala são um começo importante e o único caminho para mudanças de longo prazo em direção a um futuro mais verde. Mas, é claro, essas medidas são apenas uma parte de um quebra-cabeças maior que precisa ser resolvido.

Associações e indústria valorizam a sustentabilidade em odontologia

Não há agências governamentais oficiais que controlem ou certifiquem um escritório de acordo com os padrões ecológicos. O porta-voz da Australian Dental Association para sustentabilidade, Prof. Neil Hewson, recomendou consultar os recursos da sua respetiva associação (como a declaração de política e diretrizes da Australian Dental Association sobre gestão de resíduos de amálgama dentária) e encontrar maneiras de se  autorregular.

Numa entrevista ao Dental Tribune International (DTI), o Dr. James Zenk, presidente do Comité de Prática Odontológica da FDI, disse: “Em Minnesota [onde exerce], somos regulamentados por agências governamentais federais, estatais e locais sobre como ser mais sustentável e com baixo consumo de energia para ajudar a reduzir a nossa pegada de carbono. [...] O exemplo mais recente disso diz respeito a um programa voluntário para instalar separadores de amálgama nos nossos escritórios para reduzir a quantidade de mercúrio lançada em sistemas de águas residuais.” Zenk explicou que é a favor dos programas voluntários porque, na sua experiência, “os dentistas respondem muito melhor aos programas voluntários do que aos órgãos reguladores opressores”.

Isso significa que dentistas e associações voluntariamente trabalhando juntos, e apoiando uns aos outros, é um fator chave para uma mudança positiva. Mas e quanto à indústria em geral? Os fabricantes e outras empresas ditam o que está disponível no mercado e que tipo de opções sustentáveis são produzidas. O DTI conversou com o diretor da empresa britânica Trigiene Dental, Matthew Evershed, que lançou uma nova linha de produtos ecológicos em março de 2020. Entre eles estão luvas de nitrilo biodegradáveis, copos de papel com forro de amido natural à prova de água e diversos produtos de higiene de papel feito de caixas recicladas Tetra Pack. Evershed explicou que “a Trigiene Dental está muito consciente da quantidade usual de plásticos descartáveis e insustentáveis no uso diário em consultórios odontológicos.

De acordo com Evershed, tem havido um grande interesse e uma resposta positiva ao uso de produtos reutilizáveis e sustentáveis; no entanto, há duas considerações principais que impedem a mudança. Uma é o preço proibitivo. “Se as pessoas puderem fazer uma mudança para produtos mais ecológicos sem prejudicar as suas carteiras, levarão isso em consideração”, referiu. A segunda é a preocupação com o compromisso em relação aos protocolos de descontaminação ou esterilização.

Este é um ponto válido e bastante problemático, uma vez que sustentabilidade é mais do que trocar plástico por bambu ou outros materiais; trata-se principalmente de usar menos recursos em geral. Dr. Sanjay Haryana é responsável pelo programa de educação interna e externa da TePe Nordic - uma empresa que assumiu o desafio de alcançar a neutralidade de carbono nos seus produtos e embalagens até 2022 - e pelo controlo de qualidade na subsidiária nórdica e dá palestras sobre tópicos relacionados com a higiene oral, psicologia de vendas e sustentabilidade. Não acredita que uma redução drástica no plástico seja possível hoje, nem acredita que esta seja a resposta.

Em vez disso, Haryana diz que há dois fatores vitais: passar do consumo linear para o circular (reciclagem) e usar matérias-primas vegetais para produzir plásticos. Sanjay Haryana explica: “A reciclagem é um desafio hoje porque a maioria dos resíduos médicos é considerada perigosa,  mas a reciclagem química está a dar passos impressionantes. A reciclagem química é um processo pelo qual é possível restaurar o plástico ao seu estado original, limpo e com as suas propriedades iniciais. Claro, a energia verde deve ser usada em todo este processo”. O resultado da combinação dessas medidas é “uma grande redução da pegada de dióxido de carbono” e, ao mesmo tempo, poder “usar os melhores materiais para a prática médica e odontológica”, segundo o especialista.

Proprietários de clínicas com sucesso em odontologia verde

Num artigo publicado no verão de 2020, o DTI entrevistou Dr. Robert Panjkov, fundador de um consultório odontológico premiado com sede em Melbourne, na Austrália. A sua empresa, a Beaconsfield Dental, “utiliza barreiras e plásticos biodegradáveis, bem como produtos químicos ecológicos para tratamentos dentários que envolvem sucção, limpeza e lavagem. Os produtos de higiene oral utilizados na prática são sustentáveis e os  profissionais passam por formaçãos regulares para a minimização de resíduos. Eles também participam na plogging, atividade que combina corrida e recolha de lixo, para fazer a limpeza do parque e das ruas à volta”, relatou a editora Iveta Ramonaite. A sustentabilidade também é uma prioridade na prática administrada pelos Drs Stefan Dietsche e Reiner Wichary na Colónia, Alemanha. Uma post num blogue relatou como os dentistas estão a implementar odontologia ecologicamente  correta nos seus consultórios: copos de amido de milho substituíram os copos de plástico, fita de papel é usada em vez do material usual e a eletricidade da clínica é gerada por usinas hidrelétricas e eólicas regionais há anos. Só porque algo sempre foi feito de determinada maneira não significa que seja da maneira certa, escreveu Wichary.

O Dr. Ali Farahani de Stratford, Ontário, Canadá, pratica odontologia ecológica no seu consultório desde 2007. Ele e a sua equipa afirmam que a ausência de odores tóxicos no ar e uma abordagem holística são motivos para escolher a sustentabilidade da sua clínica, que visa proteger os recursos hídricos e aterros sanitários a longo prazo. A contribuição de Farahani vai além de seu trabalho quotidiano. Por muitos anos, ele esteve envolvido na Eco Dentistry Association e é um membro credenciado da International Academy of Oral Medicine and Toxicology - uma organização de dentistas e médicos profissionais e cientistas que pesquisam a biocompatibilidade de produtos odontológicos.

Um cenário melhor

Esses três consultórios odontológicos são apenas alguns dos muitos exemplos que incentivam, inspiram e praticam a consciência ambiental na odontologia. Odontologia sustentável não significa necessariamente investir em equipamentos caros ou transformar o consultório num edifício autossuficiente que não produz resíduos, gera energia própria e trata as águas residuais de um dia para o outro. É mais sobre tomar decisões conscientes que atendam às necessidades do presente sem comprometer a capacidade das gerações futuras. Administrar uma empresa de sucesso já é difícil o suficiente e fazer algumas escolhas melhores aqui e ali não deve prejudicar as principais tarefas em mãos, nem deve ser desanimador ou desmotivador.

O facto é que não há tempo a perder esperando que os governos nacionais implementem os requisitos legais de sustentabilidade que um consultório odontológico deve atender para continuar praticando. A mudança climática é uma ameaça muito real para o mundo em que vivemos. Para o bem do nosso futuro, é crucial que dentistas, associações e toda a indústria continuem lidando com essas questões num esforço conjunto.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

© 2021 - All rights reserved - Dental Tribune International